Um dos momentos mais aguardados da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), do senado federal, que apura a condução do governo Jair Bolsonaro (Sem partido), durante a pandemia de Covid-19 será nesta quarta-feira (19). O ex-ministro da saúde Eduardo Pazuello será ouvido pelos senadores que compõem a comissão, na condição de testemunha.

O ex-ministro seria o terceiro ouvido pela CPI, logo após os também ex-ministros Luís Henrique Mandetta e Nelson Teich, mas informou ter tido contato com pessoas infectadas pelo novo coronavírus, o que fez o presidente da comissão, senador Omar Aziz (PSD-AM) remarcar uma nova data para a participação do general do exército.

A participação de Pazuello está sendo aguardada com expectativa no cenário político. Apesar disso, o ex-ministro poderá ficar em silêncio, já que conseguiu um habeas corpus do Supremo Tribunal Federal (STF).

Eduardo Pazuello assumiu o Ministério da Saúde em agosto do ano passado, após seguir como interino na pasta com a saída de Nelson Teich, que ficou por menos de um mês no comando do ministério.

Entre diversos nomes já ouvidos pela CPI da Covid-19, destacam-se os ex-ministros já citados, o ex-chanceler brasileiro Ernesto Araújo, o ex-secretário de comunicação Fábio Wajngarten e o gerente-geral da Pfizer na América Latina, Carlos Murillo.

Após o longo processo de ouvir as testemunhas, a CPI, que ainda conta com o senador Randolfe Rodrigues (REDE-AP), na vice-presidência, e Renan Calheiros (MDB-AL), como relator, deve emitir um parecer sobre as responsabilidades do Governo Federal no combate ao novo coronavírus.