A Câmara de Vereadores de Chã Grande está integrando a nova composição do Conselho Municipal de Meio Ambiente. A definição foi feita nesta segunda-feira (11), durante reunião realizada no Plenário José Maria de Melo. Dois assentos na diretoria estão reservados ao poder legislativo. Os nomes dos vereadores Wédson de Biu Beléu (PP) e Célia de Jaci (Avante) foram indicados e aprovados, integrando o Conselho Fiscal da entidade.

Na reunião, a Câmara foi representada pelo presidente, Jorge Luís (PL), além de Wédson de Biu Beléu e Ninha de Zé Maria (Avante). “A Câmara Municipal não poderia deixar de apoiar uma iniciativa tão importante como essa, que é a reativação desse Conselho, que de fato vai levar as novidades e ações necessárias para que a gente possa fazer uma transformação de nossa sociedade”, disse Jorge.

A presidência do Conselho ficou a cargo do secretário de Desenvolvimento Agrário e Sustentabilidade, Joseildo Martins. “A gente entende que uma ferramenta como o Conselho pode ser usada de várias formas, e num momento tão necessário, com tantas mudanças climáticas, a gente entende que o meio ambiente pode fazer toda a diferença nesse momento”, destacou Joseildo.

Empresários como Valter França, do Mahabhumi, e Marcos Bezerra, do Recanto da Chã, também passam a fazer parte da diretoria. Os empreendimentos se destacam pela relação harmoniosa que mantêm com o meio ambiente. “Chã Grande é um município rico, com muitas atrações, muito verde, muita natureza, e a gente mostrar para a sociedade essa maravilha que nós temos aqui em Chã Grande, e que preservamos e cuidamos, é de altíssima importância”, comenta Marcos Bezerra.

“Eu acho que os municípios têm esse papel importante, pois numa célula menor é mais fácil da gente conduzir e inspirar, e eu acho que Chã Grande, do ponto de vista topográfico e da região onde se encontra, tem condições suficientes de inspirar pessoas, a mudarem hábitos e trazerem esse apreço, esse olhar compassivo por essas causas tão importantes para o planeta”, acredita Valter França.

A reativação do Conselho de Meio Ambiente ocorre após o período de paralisação provocada pela pandemia. Assim como prevê seu estatuto, o colegiado reúne a sociedade civil organizada e os poderes públicos municipais. Juntos, os membros devem debater e propor estratégias de atuação na questão ambiental do município.